PIRÂMIDES FINANCEIRAS

O que poderia ser uma bela idéia – as criptomoedas – revelou-se um enxame de pirâmides financeiras, por meio das quais meia dúzia de oportunistas embolsarão um bilhão de dólares e um milhão de "investidores" tardios pagarão a conta. Esse é o estratagema de todas as pirâmides financeiras ou correntes milionárias, como as conhecemos desde 1960. As primeiras envolviam dinheiro enviado pelo correio ou a prática de agiotagem, depois se fantasiaram de investimentos pecuários (o golpe do "Boi Gordo" – comprava-se um terneiro e se recebia um boi) ou investimentos aviários (o golpe do "Avestruz Master" – comprava-se um ovo e se recebia um avestruz). Antes, via-se um único empreendimento, a cada dez ou vinte anos. Hoje, com a facilidade da Internet, nós vemos simultaneamente 1.600 criptoempresas, mundo afora! No universo de quase 8 bilhões de habitantes do planeta, não faltarão 1,6 bilhões de "investidores" ingênuos – iludidos com a perspectiva de lucros fantasiosos de 15% ao mês* – para viabilizar cada uma delas. Dinheiro fácil para dez mil felizes "investidores" de primeira hora (os donos das criptoempresas). Aliás, é cegueira coletiva acreditar que exista no planeta investimento financeiro que se sustente oferecendo dobrar, a cada 5 meses, o capital investido. A verdade é que para que cada um dos controladores da conta dos depósitos possa sacar, digamos, $100 milhões, 100 mil "investidores" tardios pagarão a conta e ficarão a ver navios.

*É emblemático o gráfico exibido na Internet por uma das critpoempresas, onde ela anuncia que 1 moeda comprada em 16/08/2010 por US$0.07 estaria valendo US$19,002.96 em 18/12/2017 (89 meses depois)! Espantoso anúncio! Valorização estratosférica de 15% ao mês! Equivale dizer que uma aplicação de R$100,00 converter-se-ia em R$25.241.071,75 no mesmo período! Uma fantasia! Em juros razoáveis de mercado, digamos 0,4% ao mês, os mesmos R$100,00 converter-se-iam em míseros R$142,65! Qualquer promessa acima disso precisa ser vista com extrema cautela!

A história das criptomoedas começa com um grupo de "empreendedores" que lançam 1.000 moedas de vento ao preço total de R$1.000,00. Eles as colocam à venda, mas avisam ao 2º grupo comprador que a cotação da moeda já subiu e que ele só consegue comprar 500 delas com os seus R$1.000,00. O 3º grupo é avisado que os seus R$1.000,00 só compram 250 moedas. O 4º grupo só consegue comprar 125 moedas com os seus R$1.000,00. E assim por diante. O 21º grupo só consegue comprar um milésimo de moeda com os seus R$1.000,00.

A história continua, mas não tem um final feliz: a população de compradores novos se exaure em pouco tempo. Os "empreendedores" sacam o produto das compras e a multidão da base da pirâmide fica com o "mico" na mão. Parece um conto de ficção, mas não é.

Home
© 22/01/2018 Atualizada em 30/04/2018